segunda-feira, 16 de maio de 2011

=/

Dentre os vários defeitos que eu tenho, além da minha inconstância, acredito que um dos piores é o fato de eu não me apegar fácil às coisas. Pra mim, na grande maioria das vezes, é muito fácil deixar as coisas irem, e fluírem, e sumirem como tem que ser, como deve estar escrito em algum lugar que eu nunca achei pra ler. Eu sempre acredito que tudo vai, tudo acaba; talvez por acreditar veementemente nisso eu nunca tenha me preocupado em me apegar tanto a nada.
Não é que eu não goste das coisas, nem que eu não ache lindo criar vínculos por aí. Muito pelo contrário, eu até  sou bem receptiva com as pessoas e com as coisas que aparecem na minha vida, mas o fato de ser receptiva não me obriga a criar um vínculo ou uma dependência eterna com elas.Que eu me lembre, foram poucas as vezes em que eu realmente me abalei por perder algo, tanto no amor, quanto na amizade, quanto nas demais coisas que eu conquistei. 
Pra te falar a verdade, eu nem sei o porquê dessa rejeição contida em me aproximar demais de tudo. Não é medo, não é falta de crer que existem pessoas muito boas nesse mundo, não é por não querer amizades eternas. Eu tenho amigos que com absoluta certeza estarão ao meu lado quando eu estiver velha e serão padrinhos e madrinhas dos meus filhos, do meu casamento, e participarão de tudo que eu fizer. Eu tenho tanta gente linda ao meu lado que às vezes até paro pra pensar se consigo retribuir tamanho afeto e amor, mesmo com a tal aversão a vínculos profundos.
Não é medo de me machucar. Mas todo mundo sabe que quanto mais longe a gente ficar de qualquer bomba, o estrago é menor quando ela explode. Tantas coisas já explodiram na minha vida que hoje eu vivo debaixo da ponte do outro lado do rio em que qualquer bomba esteja. E vou vivendo. Vou gostando do meu jeito, amando as pessoas do meu modo e sendo respeitada com as minhas diferenças. 
De um jeito ou de outro, eu vou aprendendo que não tem como não se integrar, não tem como não se doar ou se envolver. E essa é a pior parte. Eu, que sempre me mantive do outro lado do rio, às vezes me pego pensando se realmente vale a pena criar essa aproximação toda com todo mundo. Tem dias que eu me aproximo de quem nem vale a pena, tem dias que eu sinto falta de quem nem pensa em mim, ou até pensa, mas nem parece; tem dias, tem dias...
Tem dias que eu encho o saco grandão de ter que lidar com tudo isso. Na verdade, eu odeio criar vínculos, odeio ter que gostar das pessoas e sofrer por causa delas... 
Tô odiando sentir saudade.



3 comentários:

Beatriz Amorim disse...

Oi Dani linda!
Se o assunto é inconstância, bate aqui que somos duas!
Realmente é muito difícil lidar com isso, mas um dia a gente aprende, não?

Espero mesmo que seja verdade!
Saudades de você, minha querida!
Beijão

Júuh . disse...

Oie!
Obrigada pelo comentário no blog, volte sempre que quiser! =D

Adorei o texto, me identifiquei demais, principalmente no final em que vc diz: "Na verdade, eu odeio criar vínculos, odeio ter que gostar das pessoas e sofrer por causa delas...Tô odiando sentir saudade."

Saudade é uma palavra que vive comigo constantemente e até hoje não aprendi a ter que conviver com ela!

Beeijoca! =)

Diego disse...

Muito bom o texto.
Se sente, iso tente selecionar as pessoas com quem irá ficar ao seu lado.
Eu sou ao contrario, me apego.. ja sofri por isso. e agora seleciono.
Fique bem :) e sabe que qualquer coisa grite ;)
Beijos